Saturday, April 26, 2008

MOAI --- ILHA DE PÁSCOA / MOAI --- EASTER ISLAND






O termo "moai" é utilizado pelos estudiosos para designar as gigantescas estátuas de pedra, encontradas pelas encostas da Ilha de Páscoa, construídas por volta de 1300 d.C. pelo povo Rapanui, que atingem até 12 metros de altura e pesam várias toneladas.

As mil estátuas da Ilha de Páscoa contém em si uma pergunta imediata: como um lugar tão pequeno e isolado poderia originar uma cultura capaz de obras tão espetaculares? Desvendar os mistérios desta ilha não é uma tarefa fácil, e há inúmeras décadas pesquisadores e arqueólogos têm se dedicado às questões que Páscoa suscita. Quem construiu os moais? Como foram eles transportados até os ahus? A Ilha de Páscoa é o lugar habitado mais isolado do mundo: são 118 km² de terra no sudoeste do oceano pacífico, 1.600 km a leste da ilha de Pitcairn e 3.700 km a oeste do Chile.

O holandês Jacob Roggenveen foi o primeiro ocidental a visitar o lugar, em 1722. Encontrou polinésios e nativos de "pele clara e cabelos vermelhos", que moravam em cabanas de colmo e subsistiam da escassa vegetação. Em 1956, uma outra expedição, comandada pelo norueguês Thor Heyerdahl, descobriu milhares de ferramentas usadas na execução das estátuas. Mas as dúvidas sobre sua autoria permaneciam. Embora mencionem-se incas e até alienígenas como seus autores, a tendência é atribuí-las aos polinésios, que teriam chegado à ilha no século VII.

(fonte wikipédia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Moai)



Moai (or mo‘ai) (IPA: /ˈmoʊаɪ/) are monolithic human figures carved from rock on the Polynesian island of Rapa Nui (Easter Island), mostly between 1250 and 1500 CE. Nearly half are still at Rano Raraku, the main moai quarry, but hundreds were transported from there and set on Ahu (platforms) which were mostly at the island's perimeter. Almost all have overly large heads three fifths the size of their body. The Moai are the 'living faces' (aringa ora) and representations of chiefly, deified ancestors.[1] Sitting on their Ahus with their backs to the sea, these statues were still gazing across their clan lands when Europeans first visited the island, but most were then cast down during conflict between different clans on the island.

The production and transportation process required significant intellect, use of resources, and creativity, and is considered a remarkable feat of human endeavour.[2] The tallest moai erected, called Paro, was almost 10 metres (33 ft) high and weighed 75 tonnes;[3] the heaviest erected was a shorter but squatter moai at Ahu Tongariki which weighed 86 tons; while one unfinished sculpture would have been approximately 21 metres (69 ft) tall with a weight of about 270 tons.


DESCRIPTION
The Moai are monolithic statues, their minimalist style related to forms found throughout Polynesia. Moai are carved in relatively flat planes, the faces bearing proud but enigmatic expressions. The over-large heads (a three to five ratio between the head and the body, a sculptural trait which demonstrates the Polynesian belief in the sanctity of the chiefly head) have heavy brows, elongated noses with a distinctive fish-hook shaped curl of the nostrils. The lips protrude in a thin pout. Like the nose, the ears are elongated, and oblong in form. The jaw lines stand out against the truncated neck. The torsos are heavy, and sometimes the clavicles are subtly outlined in stone. The arms are carved in bas relief and rest against the body in various positions, hands and long slender fingers resting along the crests of the hips, meeting at the hami (loincloth), with the thumbs sometimes pointing towards the navel. Generally, the anatomical details of the backs are not detailed, but sometimes bear a ring and girdle motif on the buttocks and lower back. Except for one kneeling moai, the statues do not have legs.

Though Moai are whole body statues, they are often described simply as "heads". This is partly because of the disproportionate size of most moai heads, and partly because from the invention of photography until the 1950s the only Moai standing on the island were the statues on the slopes of Rano Raraku, many of which are buried to their shoulders. Some of the "heads" at Rano Raraku have been excavated and their bodies seen, and observed to have markings that had been protected from erosion by their burial.

[edit] Material Properties

All but 53 of the 887 moai known to date were carved from tuff (a compressed volcanic ash). At the end of carving they would rub the statue with pumice from Rano Raraku, where 394 moai and incomplete moai are still visible today (there are also 13 moai carved from basalt, 22 from trachyte and 17 from fragile red scoria[4]).

CHARACTERISTICS EYES
In 1979 Sergio Rapu Haoa and a team of archaeologists discovered that the hemispherical or deep elliptical eye sockets were designed to hold coral eyes with either black obsidian or red scoria pupils. The discovery was made by collecting and reassembling broken fragments of white coral that were found at the various sites. Subsequently, previously uncategorized finds in the Easter Island museum were re-examined and recategorized as eye fragments. It is thought that the moai with carved eye sockets were probably allocated to the ahu and ceremonial sites, suggesting that a selective Rapa Nui hierarchy was attributed to the moai design until its demise with the advent of the Birdman religion.

The archaeologist William Mulloy reconstructed and mounted a pair of replica eyes in a moai at Tahai.

Pukao topknots and headdresses.



Markings (post stone working)

When first carved, the surface of the moai was polished smooth by rubbing with pumice. Unfortunately the easily worked tuff from which most moai were carved is also easily eroded, and today the best place to see the surface detail is on the few moai carved from basalt, or in photographs and other archaeological records of Moai surfaces protected by burial.

Those moai that are less eroded typically have designs carved on their backs and posteriors. The Routledge expedition of 1914 established a cultural link[5] between these designs and the island's traditional tattooing, which had been repressed by missionaries half a century earlier. Until modern DNA analysis of the islanders and their ancestors this was a key scientific evidence that the moai had been carved by the Rapa Nui and not by a separate group from South America.

At least some of the moai were painted; Hoa Hakananai'a was decorated with red and white paint until 1868 when it was removed from the island.


HISTORY
Map of Easter Island using moai to show locations of various ahu


The statues were carved by the Polynesian colonizers of the island, mostly between circa 1250 CE and 1500 CE.[6] In addition to representing deceased ancestors, the moai, once they were erected on ahu, may also have been regarded as the embodiment of powerful living or former chiefs and important lineage status symbols.

Completed statues were moved to ahu mostly on the coast. Then erected, sometimes with red stone cylinders (pukao) on their heads. Moai must have been extremely expensive to craft and transport; not only would the actual carving of each statue require effort and resources, but the finished product was then hauled to its final location and erected.

The quarries in Rano Raraku appear to have been abandoned abruptly, with a litter of stone tools, many completed moai outside the quarry awaiting transport and almost as many incomplete statues still in situ as were installed on ahu. In the nineteenth century this led to conjecture that the island was the remnant of a sunken continent and that most completed moai were under the sea. That idea has long been debunked, and now it is understood that:

* Some statues were rock carvings and never intended to be completed.
* Some were incomplete because when inclusions were encountered the carvers would abandon a partial statue and start a new one[7] (tuff is a soft rock with occasional lumps of much harder rock included in it).
* Some completed statues at Rano Raraku were placed there permanently and not parked temporarily awaiting removal[8]
* And some were indeed incomplete when the statue building era came to an end.



1722 - 1868 the toppling of the Moai

After the 1722 Roggeveen visit all of the Moai that had been erected on Ahus were toppled, with the last standing statues reported in 1838 by Abel Aubert Dupetit Thouars, and no upright statues by 1868,[10] apart from the partially buried ones on the outer slopes of Rano Raraku. Oral histories indicate that this was part of internecine conflict among the islanders rather than earthquake or other cause. Moai were usually toppled forwards to have their faces hidden, and often were toppled in such a way that their necks broke. Today about 50 moai have been re-erected on their Ahus or museums elsewhere.

[edit] Removal

Main article: Relocation of Moai objects

Eleven or more moai have been removed from the island and transported to locations around the world, including six out of the thirteen Moai that were carved from Basalt.

[edit] Damage by tourist

In 2008, a Finnish tourist chipped a piece off the ear of one moai, and was required to pay $17,000 in damages and not return to the island for three years.[1][2]

[edit] Preservation and restoration

From 1955 through 1978, an American archaeologist, William Mulloy, undertook extensive investigation of the production, transportation and erection of Easter Island's monumental statuary. Mulloy's Rapa Nui projects include the investigation of the Akivi-Vaiteka Complex and the physical restoration of Ahu Akivi (1960); the investigation and restoration of Ahu Ko Te Riku and Ahu Vai Uri and the Tahai Ceremonial Complex (1970); the investigation and restoration of two ahu at Hanga Kio'e (1972); the investigation and restoration of the ceremonial village at Orongo (1974) and numerous other archaeological surveys throughout the island.

The Rapa Nui National Park and the moai are included in the UNESCO world heritage list of 1994, and consequently the 1972 UN convention concerning the protection of the world's cultural and natural heritage.

The EISP (Easter Island Statue Project) is the latest research and documentation project of the moai on Rapa Nui and the artifacts held in museums overseas. The purpose of the project is to understand the figures' original use, context, and meaning, with the results being provided to the Rapa Nui families and the island’s public agencies that are responsible for conservation and preservation of the moai.


Gallery
Moai with pukao and replica eyes on Ahu Ko Te Riku in Hanga Roa, with Chilean Navy training ship Esmeralda in the background.



Tukuturi at Rano Raraku, is the only kneeling moai and one of the few made of red scoria.




Ahu Akivi, the furthest inland of all the Ahus.








Moai with pukao and replica eyes on Ahu Ko Te Riku in Hanga Roa, with Chilean Navy training ship Esmeralda in the background.

ACONTECE A FESTA TAPATI RAPA NUI
NO "UMBIGO DO MUNDO"


Texto de Sérgio Sakall (12/2002)

Na famosa Ilha de Páscoa ou Rapa Nui – como preferem os habitantes – a ciência ainda não conseguiu decifrar o mistério de seus enormes moais e nem o de sua escrita...

A Ilha de Páscoa é conhecida como o lugar mais isolado do mundo, com sua cultura nativa muito especial, também é a ponte do Chile para a Polinésia. Nenhuma outra cidade do planeta fica tão solitária como Rapa Nui.

Para chegar lá é preciso percorrer um pouco mais de 3.700 quilômetros sobre o Oceano Pacífico – distância entre o continente sul americano e a ilha.

Série emitida em 2001, em "se-tenant", mostra a chegada por via marítima na Ilha de Páscoa e os moais no selo do lado esquerdo, também a chegada por via aérea, com população indígena e arte rupestre no selo da lado direito.



Muitos moradores oferecem as suas casas para os turistas se hospedarem. Quem
aloja no albergue da juventude é a Lory. No aeroporto internacional Mataveri,
ela recebe os visitantes com "hei tiare" (colar de flores naturais)
e dá beijos de boas vindas.

Embora essas casas sejam rústicas, são mais econômicas e não deixam o conforto de lado, além de que se hospedar nelas significa uma experiência sem igual!

O albergue é uma residência típica de família. Oferece um ótimo café da manhã, serviços de lavanderia, Internet e aluguel de jipe, moto, bicicleta ou cavalo. Se preferir, há várias pousadas e hotéis com guias bilíngües para acompanhar uma visita mais completa.

De qualquer modo, os pascuenses conhecem bem a sua história e conversar com eles, no mínimo, resulta em um aprendizado cultural.

O amanhecer em Rapa Nui é uma mistura de ares do Pacífico com os da fazenda. O som da passarada é variado e ao fundo ouve-se muitos galos e grilos cantando. Em toda parte da ilha há eqüinos e bovinos soltos, aludindo à uma época em que a liberdade era original.

Existem, aproximadamente, 3 mil habitantes nativos, sem enumerar os chilenos continentais que vieram para trabalhar na ilha e outros estrangeiros que deixaram a terra firme e se radicaram para sempre em Rapa Nui.

Território ideal para quem gosta de percorrer ou descobrir, a "Isla de Pascua" (como é chamada pelos chilenos) está bem preparada para receber os turistas. Lá existem vários mini mercados, restaurantes, muitas lojas que oferecem artesanato etc.

Rapa Nui (que significa terra grande) é um triângulo de aproximadamente 160Km² sobre o mar, cujos vértices foram formados há mais de dois milhões e meio de anos, através da erupção de 3 vulcões: Poike a leste, Rano Kau a sudoeste e Maunga Terevaka a noroeste.

Abaixo, outro "se-tenant" emitido em 2001 que forma claramente o mapa triângular da ilha.

Sua paisagem é curiosa e a altura máxima é de 507 metros acima do nível do mar. Toda costa é rochosa, com exceção de suas duas únicas praias de areias branquíssimas: Anakena e Ovahe.

De longitude 109º26’10” oeste e latitude 27º09’30” sul (um pouco abaixo do Trópico de Capricórnio), seu clima é marítimo com características subtropicais. Julho e agosto são os meses de baixa temperatura, fevereiro é o mais quente e maio é o mês mais chuvoso.

FASE DA LENDA
DEPOIS DE SUA MORTE, O REI VIRA PROTETOR

O povoamento da ilha, no meio do Oceano Pacífico Sul, ocorreu ao redor do século IV de nossa era. A origem de seus colonizadores ainda está em discussão. Maiores detalhes sobre a história são encontrados em um museu local. Existem duas teorias para o povoamento em Rapa Nui.

Alguns defendem a teoria sul-americana: impulsionada por Thor Heyerdhal que através de sua viagem desde o continente, chegou na ilha com a balsa "kon tiki"; e a grande maioria prefere a teoria da Polinésia que diz sobre uma migração desde as ilhas Marquesas – próximas ao Taiti.

Segundo a tradição local, há 1500 anos um grupo de viajantes da Polinésia descobriu uma ilha remota, dando início a um mistério que dura até hoje...

O "ariki" (rei) Hotu Matu'a se viu obrigado a abandonar sua terra ancestral (provavelmente as Ilhas Marquesas) chegando na praia Anakena em duas grandes canoas com vários imigrantes.

No final de sua vida, Hotu Matu’a dividiu a ilha entre seus filhos que formaram a base das principais linhagens e territórios da ilha. Mais tarde, Hotu Matu'a tornou-se deus da ilha e seu protetor.

De qualquer forma, sabe-se através da história que os ilhéus permaneceram completamente isolados cerca de 13 séculos, até que a ilha foi "descoberta" para o Ocidente em 06/04/1722, num Domingo de Páscoa, pelo almirante holandês Jacob Roggeveen.

Na ocasião, os europeus encontraram uma terra estéril, sem árvores, habitada por inúmeras tribos de guerra e gigantescas estátuas de pedra – construídas há séculos para o culto ancestral. Mas ninguém sabia por que as estátuas eram tão imensas ou por que estavam incompletas.

FASE DOS AHUS E DOS MOAIS
FRENTE A FRENTE COM OS GIGANTES

O selo abaixo foi emitido em uma folhinha do Lesoto, em 2000, sobre acontecimentos que marcaram o século XII (de 1150 a 1200). O selo traz a frase: Estátuas da Ilha de Páscoa - 1150. Yvert: 1545/1561. NT

A história nos remete entre os anos 1000 e 1600, período no qual o culto religioso rendido aos antepassados é o centro da sociedade. Estão simbolizados através dos "ahus" (altares cerimoniais de vasta plataforma) e dos famosos moais. Trata-se de uma contínua competência entre os clãs em construir maiores obras, demonstrando assim o seu poder.

Mas, para alcançar tal poder, dispunha-se de grandes quantidades de pessoas em atividades não produtoras de alimentos, o que resultou em um desequilíbrio. Os nativos trabalhavam na construção dos moais – estátuas de pedra vulcânica, com até 10 metros de altura e que chegam a pesar toneladas. Depois, erguiam os seus ídolos no "ahu" para reverenciá-los como representações de seus ancestrais.

Muito tempo havia se passado desde a vinda do rei Hotu Matu'a e séculos de isolamento os haviam convencido de serem o único povo na face da Terra. Parece que a cultura estava confinada em rituais religiosos de reconhecimento ao deus Hotu Matu’a e a outros antepassados, por isso no âmbito mítico também se debate a origem dos moais...

Existem tantos mistérios em torno destes gigantes de pedra que fica difícil compreender como os levavam a vários quilômetros de distância. A hipótese mais aceitável é a de que os transportavam em troncos de árvores – talvez seja por isso que há ausência delas na ilha.

Existem mais de 600 deles, muitos caíram e outros permanecem mutilados pelas condições do tempo. Sabe-se que eram esculpidos primeiramente em sua parte dianteira e que só no final cortavam a parte que os uniam a montanha.

Também que permaneciam "cegos" até chegar ao seu destino – "ahu" – onde recebiam os olhos de coral e obsidiana para vigiar o altar cerimonial (por isso eles estão de costas para o mar).

Com as desmedidas exigências de construções, um excessivo aumento da população que chegou em uns 10.000 habitantes, uma combinação entre a super exploração do meio ambiente e catástrofes naturais, como prolongadas secas, conduziu finalmente a uma ampla crise ambiental, cultural e social.

Diminuída a produção de alimentos e matérias primas, a escassez da madeira utilizada em obras públicas, cremações ou na construção de embarcações, limitava-se o acesso aos recursos do mar e na possibilidade de emigrar da ilha.

FASE DA TRANSFORMAÇÃO
UM OVO PELO TÍTULO DE HOMEM-PÁSSARO

Selo do Chile emitido em 2001.

O derrubamento dos moais simboliza um tempo de crise e adaptação que compreende entre 1600 até 1866. Durante este período aconteceram sucessivas guerras de tribos e um abandono gradativo de seus costumes que culmina na destruição dos "ahus".

A lenda conta sobre crises que incluem terríveis e sangrentos conflitos entre os clãs, algumas décadas antes da chegada dos europeus, onde não esteve ausente o canibalismo. Nesse tempo, abandonam-se os "ahus", ocultam ou os reciclam como tumbas. O centro do poder político religioso se muda para a aldeia cerimonial de Orongo.

Os líderes guerreiros – "matatoa" – ascendem ao poder através da cerimônia anual de Tangata Manu (homem-pássaro). Até hoje, há lugares na ilha que nem os próprios habitantes podem ir por causa da tradição dos espíritos que morreram nestas antigas batalhas.

Sítio arqueológico de grande importância, a aldeia cerimonial de Orongo, encontra-se em um dos vértices da ilha. Restaurada, abrange uma área que conserva a estrutura de 53 casas que formavam a aldeia e mais de mil pinturas rupestres com imagens de Tangata Manu, do deus criador Make-Make e de Komari (um símbolo da fertilidade).

A maioria dessas pinturas foi realizada com pigmentação vermelha – "kie'a" – cor considerada muito importante porque representava o poder, os sacerdotes e o "mana".

Aproximadamente, a 4 quilômetros de distância do templo, Orongo brinda com uma linda vista para 3 ilhotas: Motu Kao Kao, Motu Iti e Motu Nui.

Sobretudo nessa última, era onde uma espécie de gaivota pascuense chamada "manutara" construía o seu ninho. Segundo a lenda, Hotu Matu'a era quem mandava os pássaros para lá, na primavera...

O culto ao homem-pássaro, celebrado anualmente, reconhecia o deus Hotu Matu'a e venerava a fertilidade representada pelo ovo da ave. A cerimônia consistia também na competência entre os chefes das distintas linhagens que disputavam o título de Tangata Manu entre si.

Jovens selecionados dos clãs deviam passar por muitos obstáculos como: descer de um penhasco com mais de 300 metros de altura, nadar quilômetros pelo mar infestado de tubarões, apanhar um ovo do ninho de tal ave migratória, nadar de volta à ilha, escalar o mesmo rochedo e, regressando com o ovo intacto, ainda tinha que ser o primeiro a apresentar o ovo aos anciões da tribo.

Então, o novo e sagrado homem-pássaro (o mais respeitado membro da comunidade), reinaria na ilha até a primavera seguinte. Pintado de branco e vermelho era coberto de regalias e obtinha privilégios econômicos para todo o seu grupo.

O ovo da vitória era colocado sobre a sua casa representando o "mana" que faria mais abundantes os escassos alimentos da ilha.

FASE DA ESCRAVIDÃO
O HOMEM ARRASA, DEPOIS TRABALHA PARA EDIFICAR

Depois daquela expedição no Domingo de Páscoa, logo chegaram várias outras, iniciando-se assim, em 1805, o seqüestro dos pascuenses para serem utilizados como escravos. Em 1862, produziu-se o mais duro golpe externo na sociedade: levaram mais de 2.000 habitantes ao Peru. Entre eles estava o rei e muitos dos sábios provocando uma enorme perda na cultura Rapa Nui...

Há quem diga que muitos jovens foram escravizados e levados da ilha para trabalharem nas minas de cobre do Chile. No dia 9 de setembro de 1888, ao comando do capitão da armada Policarpo Toro, o Chile tomou posse da ilha estabelecendo assim a sua base mais ocidental.

Atualmente, a ilha faz parte da região de Valparaíso e é um verdadeiro museu ao ar livre, cuja maior riqueza são as gigantescas estátuas de pedra espalhadas em suas costas e ladeiras vulcânicas. São intensas as investigações arqueológicas e as restaurações dos monumentos, renascendo assim, a valorização e o orgulho dos Rapa Nui como povo.

O idioma e a cultura da ilha refletem mesmo uma origem polinésia dos pascuenses. Um exemplo disso é que na Polinésia as aves são mensageiras de presságios, guias, alimento e veículo do espírito dos deuses e da morte.

O culto do homem-pássaro foi um poderoso símbolo de morte e renascimento para os nativos durante quase 200 anos, tendo fim com a introdução da religião católica na ilha.

Embora a igreja tenha sucumbido aos antigos cultos, hoje, qualquer turista pode conferir em seu interior estátuas esculpidas em madeira daqueles deuses de outrora ao lado das tradicionais imagens católicas.

Nota: Por séculos, o latim é a língua usada para as celebrações litúrgicas na Igreja Romana. Após o II Concílio do Vaticano (1962-1965) é permitido o uso das línguas locais...

A celebração de sua missa tornou-se famosa porque introduziram orações e cânticos em Rapa Nui – sempre aos domingos, às 9 horas.

FASE DO TURISMO
UM MUNDO CONQUISTANDO SEU PRÓPRIO "UMBIGO"

Dizem que, no mapa, essa ilha representa o umbigo do mundo... Administrada por um governador, a Ilha de Páscoa é uma combinação de passado e presente. O seu povo desfruta de uma conexão com todo o mundo, através de turistas, Internet e televisão.

Comentam acontecimentos como a gravação do filme Rapa Nui, de Kevin Costner, no qual participou a maioria dos habitantes. Lugar onde melhor se aprecia a mescla entre tradição e modernidade pode ser em uma das discotecas existentes, pois há músicas de moda internacional e também de compasso polinésio.

Os moais, a cratera coberta de musgo do vulcão Rano Kau e as coloridas festas em Hanga Roa (seu único povoado), justificam uma viagem à ilha. Na principal rua, Policarpo Toro, fica o centro de informação turística SERNATUR. Subindo a rua Te Pito Ote Henua que, na língua dos nativos quer dizer "umbigo do mundo", localiza-se a igreja.

Os trabalhos em madeira, a pintura corporal e as tatuagens estão entre as mais tradicionais formas de arte na ilha. Todo ano, entre os meses de janeiro e fevereiro, acontece o festival Tapati Rapa Nui – festa que comemora uma das mais fascinantes culturas do mundo.

Tapati significa semana em rapanui, mas a festa já dobrou sua duração inicial. Foi criada para lembrar e preservar as tradições culturais genuínas da ilha. Atualmente, maior festival de toda a Polinésia, atrai mais de 15 mil turistas a cada ano.

Trata-se de uma gincana com a participação unânime das famílias que, em grupos de clãs, realizam uma série de provas para somar pontos às suas candidatas. O objetivo final é a eleição de uma jovem rainha, recordando a antiga escolha da virgem oferecida ao Tangata Manu.

As equipes passam por várias provas esportivas e culturais, como a exibição de grupos de dança folclórica, concurso de pintura corporal e disputa entre artesãos na escultura de pequenos moais.

Uma das provas mais empolgantes acontece nas bordas do vulcão Rano Raraku, onde jovens disputam uma espécie de "triatlon" que une a travessia a nado do lago vulcânico, voltas completas na cratera e uma corrida com pés descalços e dois cachos de bananas nas costas.

Durante a celebração (1 a 15 de fevereiro de 2003) acontece muita música, dança e antigas tradições de uma civilização milenar.

Carregada de enigmas e mistérios, exige tempo para ser descoberta. É imprescindível alugar um carro para percorrer suas terras – muitos estabelecimentos oferecem este serviço. Sua geografia rodeada pelo Pacífico, sua figura triangular com seus vulcões e sua gente de cultura milenar, tudo isso, é inesquecível.

Só estando em Rapa Nui é que se pode sentir todo o seu verdadeiro magnetismo. Se você estiver por lá, mesmo que não no albergue, conheça a Lory, peça o que necessitar e deixe ao encargo dela, pois com certeza ela ou a maioria dos nativos lhe ajudarão.

Abaixo, uma folhinha emitida em 1992, sobre a Flora e a Fauna Marinha da Ilha de Páscoa. Yvert: 1121/1128.

Selo da França, emitido em 1998, com inscrição da UNESCO. A Ilha de Pácoa foi declarada Patrimônio Mundial da Humanidade, em 1995.

volta ao topo

Agenda de Viagem

Fique por dentro
· Para entrar no país, não é necessário visto, apenas um passaporte válido e certificado de vacina de febre amarela.
· São dois os idiomas na ilha: o rapanui e o espanhol. Para cumprimentar um nativo diga "iorana" (olá) e para agradecê-lo diga "maururu".
· Dirigir no Chile ou na Ilha de Páscoa requer carteira de motorista internacional. Os guardas chilenos levam as leis a sério e estão prontos para nos pegar.

Na ponta do lápis
· O peso chileno é a moeda oficial, porém os preços são mais elevados do que no Chile continental.
· A LanChile detém o monopólio à Ilha de Páscoa e oferece duas alternativas para voar desde Santiago até a ilha (SCL - IPC) LAN 834: quarta e domingo.
· Existem diversos tipos de hospedagem com preços que variam entre 15 e 120 dólares.
· O albergue: Hostelling International Isla de Pascua "Kona-Tau" cobra US$15 a diária e o café da manhã US$5. E-mail: konatau@entelchile.net.
· A base da culinária pascoense é o pescado (atum e corvinas), um prato custa em média 12 dólares. Uma Coca Cola US$2.50. O único restaurante francês da ilha: La Taverne Du Pecheur, cobra US$13 por um prato de carpachio de atum e um prato de ceviche do mesmo peixe custa US$10.

Dicas do autor
· Antes de sua viagem, passe na locadora e pegue o filme Rapa Nui. Assim, além de se ter uma boa idéia sobre a história da ilha, você poderá se apaixonar pelo par romântico do filme: Noro e Ramana.
· Não deixe de visitar o Museu Antropológico Padre Sebastián Englert. Rua Tahai s/n – Fax: 56-32-551020.
· Assista ao show do melhor conjunto de dança do momento, o grupo folclórico Kari Kari (de quartas e sábados, às 22 horas) ou compre um CD do grupo Mata-Toa.
· Não se esqueça de contemplar as estrelas, pois você ficará assombrado com a nitidez do céu em Rapa Nui.

Hostelling International Kona Tau - Isla de Pascua. Clemente Here-Veri Te Ao (antropologista - konatau@entelchile.net).

Para ir mais longe:
http://www.portalrapanui.cl/index.htm
http://www.rapanui.cl/
http://www.museorapanui.cl/

Legendas:

"Hare baka" é um dos estilos de casa primitiva dos antigos habitantes de Rapa Nui.

Localizado próximo da cidade, o "ahu Tahai" é um conjunto de 3 altares cerimoniais que compõe o melhor centro arqueológico restaurado.

Está formado por três Ahu, cuyos nombres son Kote Riku al norte, Tahai al centro y Vai Uri al sur Allí se encuentran los fundamentos de un Hare Paenga, una casa bote, denominada así por su similitud de ésta con un bote boca abajo; de un Hare Maoa, con estructura de piedra de gruesos muros y que era, aparentemente, utilizado como gallinero, y un Paina, lugar ceremonial.

O "ahu Akivi", bem no centro de Rapa Nui, foi o primeiro centro arqueológico restaurado. Com seus famosos sete moais (curiosamente voltados para o mar, olhando para a direção da Polinésia), representam os 7 primeiros exploradores enviados pelo rei para reconhecer a ilha.

Orongo, antiga cidade cerimonial, localiza-se na borda poente do vulcão Rano Kau, um dos cenários mais espetaculares da ilha. Aqui acontecia a cerimônia do Tangata Manu.

Vulcão Rano Raraku, também chamado de fábrica de moais, pois em suas rochas se esculpiram centenas deles.

O "ahu Tongariki" é o maior dos altares, tem uns 200 metros de longitude, 15 moais em sua plataforma e um outro solitário ao lado. Os moais medem de 5 a 8 metros de altura e pesam acima de 40 toneladas. Em 1960, Tongariki foi derrubado por um maremoto. Restaurado, é um dos lugares mais impressionantes de Rapa Nui.

POIKE: Primer volcán que emergió sobre la superficie del mar. Su importancia histórica y antropológica radica en que fue el lugar donde vivieron los Orejas Largas, una de las tribus que habitó Rapa Nui.

Anakena talvez seja a melhor praia do Chile. É uma meia-lua com areias brancas e águas cristalinas de cor turquesa. A paisagem tem algumas palmeiras pela orla, muitas outras compondo o fundo e o "ahu Nau Nau". Aqui, qualquer turista entende e tem a impressão de se estar na "ilha da fantasia".


Outras emissões chilenas sobre a Ilha de Páscoa:
1965/69 – Scott: 347/347.
1970 – Scott: 383. Policarpo Toro e Ilha de Páscoa - aniversário de 80 anos de aquisição da ilha.
1981 – Scott: 587/589.
1986 – Scott: 719/720.
1988 – Scott: 780/783.
1989 – Scott: 812/816.
1991 – Scott: 955/956.
1999 – Scott: 1286.
2000 – Scott: 1321/1324.

Página TurismoPágina República do Chile

Entrada principal !
Última atualização: 14/04/2007.

FONTE - SOURCE
http://www.girafamania.com.br/americano/materia_chile.pascoa.html





notícia: antropologia


RAPANUI: A MISTERIOSA ESCRITA DA ILHA DA PÁSCOA
31/12/2006

Moais, as colossais estátuas de pedra da ilha da Páscoa. Sua origem, modo de confecção e destinação são um enigma para os estudiosos. DIREITA: Rongo-rongo, sistema de escrita dos nativos, ainda indecifrado, pode guardar a explicação para o mistério dos Moais.

A Ilha da Páscoa é conhecida pelas estátuas Moai, gigantescas cabeças de pedra que ninguém sabe que povo esculpiu ou com que propósito foram feitas. Entretanto, este não é o único mistério da ilha. O Rongorongo, linguagem escrita local, também intriga os estudiosos. O sistema escrito parece ter surgido subitamente, em época recente, nos anos de 1700. Em dois séculos, o Rapanui, como é chamado pela população, caiu na obscuridade.

O Rongorongo é uma escrita pictográfica, registrada em entalhalhes feitos em tabuletas de madeira e em outros artefatos da ilha. O sistema não é conhecido nas ilhas vizinhas. A explicação corrente é que o Rongorongo foi criado pelos nativos como imitação do sistema que espanhóis ali introduziram no século XVIII, em 1770. Entretanto, apesar desta alegada origem recente, nenhum arqueólogo ou lingüísta conseguiu decifrar os documentos Rapanui.

Quando os primeiros europeus chegaram à ilha da Páscoa, o lugar era um ecossistema praticamente isolado que estava sofrendo os efeitos do desgaste dos recursos naturais, desflorestamento e superpopulação. Nos anos seguintes esta população foi devastada por doenças européias e pelo comércio de escravos. Em 1877, havia pouco mais de 100 habitantes na ilha. [De acordo com o senso de 2002, a Ilha da Páscoa possuia, naquele ano, pouco mais de 3 mil e 700 habitantes]. Neste processo, o Rongorongo quase desapareceu. Os colonizadores decidiram que a escrita fazia parte do paganismo popular e devia ser banida junto com outras tradições "heréticas". Os missionários obrigaram os nativos a destruir a tábuas de Rapanui.

Em 1864, o padre Joseph Eyraud tornou-se o primeiro não-ilhéu a registrar o Rongorongo. Ele escreveu antes do último declínio da sociedade da ilha: "Em todas as casas pode-se encontrar tabuletas de madeira e outros objetos com a escrita hieroglífica." Eyraud não pôde encontrar ninguém que pudesse traduzir os textos; o povo tinha medo de tratar do assunto por causa das proibições dos missionários.

Em 1886, William Thompson, do navio americano USS Mohican, em viagem na ilha, coletando objetos para o National Museum, de Washington, se interessou pela escrita dos nativos. Ele obteve duas raras tabuletas e conseguiu que um ilhéu traduzisse o texto. A transcrição obtida é um dos poucos documentos que podem servir de parâmetro para decifrar o Rongorongo.

As semelhanças entre os signos rongo-rongo, da ilha da Páscoa e a antiga escrita hindu foram observadas por Wilhelm de Hevesy, em 1932. DIREITA: A Ilha de Páscoa é uma ilha oceânica que pertence ao Chile, famosa por suas enormes estátuas de pedra conhecidas como moais. Faz parte da V Região de Valparaíso. Em rapanui, o idioma local, é denominada Rapa Nui (ilha grande), Te pito o te henúa (umbigo do mundo) e Mata ki te rangi (olhos fixados no céu) WIKIPEDIA-PT - 2006.

Em toda ilha existem cerca 887 estátuas monolíticas (feitas de um só bloco de pedra). Maior estátua construída na ilha tem 10 metros e 90 toneladas. Existem três tipos de estátuas gigantes:

-As primeiras estátuas estão situadas nas praias à borda do mar. Seu número é de mais ou menos 200 à 260 e algumas estão à uma distância de mais de 20 km do canteiro do vulcão onde foram modeladas.

-O segundo grupo é o das eregidas ao pé do "Rano Raraku". São estátuas terminadas, porém diferentes das outras, pois seus corpos estão cobertos por símbolos. As órbitas dos olhos não estão desenhadas e precisam de um chapéu ou "punkao". No entanto estas são mais enigmáticas que as anteriores. -O terceiro grupo há anos a mais conhecida de todas elas "tukuturi", que possui a particularidade de ter pernas, foi comparada as estátuas da arte pré-incaica criando sérias dúvidas sobre a tese comum da origem dessas populações. A ilha porém foi abandonada por alguma razão... Os obreiros abandonaram suas ferramentas e oficinas. Como se suas causas desta paralização tivessem sido provocadas por uma catástrofe de caráter natural, como maremoto, por alguma invasão ou epidemia. [IN ENIGMAS DA HUMANIDADE]

Os estudos continuaram nas décadas seguintes. Em 1932, Wilhelm de Hevesy tentou encontrar uma conexão entre o Rongorongo e a escrita hindu. Ele havia encontrado correlação entre as duas escritas em 40 exemplos de símbolos mas suas conclusões não foram adiante. Em 1950, Thomas Barthel foi o primeiro lingüísta contemporâneo a se interessar pelo Rongorongo. Barthel estabeleceu que o sistema era composto de 120 elementos básicos que, combinados, formavam mil e quinhentos diferentes signos que representam objetos e idéias. A tradução é extremamente difícil porque, um único símbolo pode representar uma frase inteira. Uma grande conquista de Barthel foi identificar um artefato conhecido como Mamri como um calendário lunar.

As pesquisas mais recentes têm sido conduzidas pelo lingüísta Steven Fisher. Entre os muitos exemplares da escrita estudados por ele destaca-se uma peça que pertenceu a um chefe nativo da ilha. O objeto é coberto de pictografias. Estudando essas figuras, Fisher descobriu que as unidades de significação do Rongorongo são tríades, compostas de três signos. Um dos textos logo mostrou ser um canto religioso e o estudo de outros levou o lingüísta à concluir que todos os textos da Páscoa são relacionados a mitos da criação.

A escrita Rongorongo continua instigando os pesquisadores. Hoje, apenas 25 tabuletas e objetos sobreviveram à devastação do tempo. Antropólogos e arqueólogos têm esperança de conseguir traduzir os pictogramas que podem revelar o mistério dos Moais, as estátuas colossais da ilha. Há quem acredite que os Moais foramk erigidos pelosúltikmos remanescentes do continente perdido da Lemúria que, de acordo com a tradição ocultista, abrigou a terceira humanidade ou Terceira Raça Humana, quando os homens eram "gigantes" semelhantes às estátuas.

No mapa, em laranja, as terras do continente Lemuriano. Boa parte da África, sul da europa e da Ásia, América do Sul e do Norte, não existiam. A ilha da Páscoa está lá, no oceano Pacífico na região que hoje é do Chile.

A ILHA DA PÁSCOA NA TEOSOFIA
relação com lemurianos e atlantes


A ilha da Páscoa é uma pequena parte de um antigo continente hoje submerso: as terras da Lemúria. Isso significa que aquelas terras pertenceram à Lemúria. A Lemúria submergiu mas voltou a emergir, não uma mas várias vezes. A Ilha da Páscoa, um dos pontos mais altos do continente lemuriano, está entre os primeiros lugares a "sair das águas" quando há alterações, para baixo, do nível dos oceanos.

As etnias que habitaram a ilha foram representantes dos Atlantes, Quarta Raça. "A ilha da Páscoa é remanescente da Lemúria... Pertence [geologicamente] ao início da civilização da Terceira Raça [enquanto as estátuas pertencem - antropologicamente e historicamente, aos Atlantes, Quarta Raça]." Em meio às revoluções da crosta terrestre, massas de terra, muitas vezes desaparecem no mar para ressurgir, em outra era. A ilha da Páscoa "...emergiu intacta com seu vulcão e suas estátuas..."

Em The Countries of the World, Robert Brown escreve: "Teapi, Rapa-nui ou Ilha da Páscoa é um ponto isolado a quase duas mil milhas da costa sul-americana... Tem cerca de doze milhas de comprimento por quatro de largura... e no seu centro vê-se uma cratera extinta que tem 1.050 pés de altura. A ilha está coberta de crateras há tanto tempo extintas que não há tradição alguma quanto a época de sua atividade."

Para os teósofos, as estátuas da ilha representam homens reais, pertencentes a uma raça extinta de porte notavelmente mais avantajado que os homens atuais. Eram gigantes aqueles que esculpiram as estátuas chamadas Moais.

As relíquias da ilha da Páscoa são as mais assombrosas e eloqüentes memórias dos gigantes primitivos. São elas tão imponentes quanto misteriosas; e basta examinar as cabeças das colossais estátuas... para que se reconheçam as características e o aspecto atribuídos aos gigantes da Quarta Raça. parecem todas feitas segundo o mesmo molde, posto que diferentes as fisionomias - e dão a impressão de um tipo claramente sensual, como o dos Atlantes (os Daityas e Atlanteanos) nos livros esotéricos dos hindus.

[BLAVATSKY, A Doutrina Secreta vol III. Antropogênese - São Paulo: Pensamento, 2001 p 241/242]

As estátuas de Ronororaka são quatro: três profundamente enterradas no solo e uma descansando sobre as espáduas como um homem adormecido. Seus tipos diferem entre si, embora todas tenham a cabeça comprida sendo evidente que representam retratos, pois os narizes, as bocas e os queixos variam muito de forma. A cobertura da cabeça - uma espécie de gorro chato, com uma peça adicional para proteger a nuca - prova que os originais não eram selvagens da Idade da Pedra.

ESQUERDA: A costa do Chile, tal como é hoje, e a ilha da Páscoa, no Pacífico Sul.
DIREITA: Moai submerso no litoral da ilha da Páscoa. O mergulho para observar as estátuas é atração turística.

Num domingo de Páscoa, no quinto dia do mês de abril de 1722, o capitão holandês Jacob Hoggeveen, aportou na ilha. Era o primeiro rosto desconhecido já visto pelos 6.000 habitantes da ilha viam. Algumas décadas depois a população era de apenas 111 sobreviventes... O único povoado da ilha, Hanga Roa, é uma simpática vila cheia de flores, cachorros, cavalos, seus donos e alguns turistas... IN BRASIL MERGULHO

Os Lemurianos construíram cidades colossais. Usavam mármore e lava. "Talhavam suas próprias imagens em tamanho natural e à sua semelhança e as adoravam (BLAVATSKY, 2001 - 334/335). Liderados "reis divinos", cultivaram artes, ciências, conheceram a astronomia, a arquitetura, as matemáticas. Foram os lemurianos da sexta sub-raça que viveram essa civilização.

"Uma dessas grandes cidades, de estrutura primitiva, foi toda construída de lava a umas trinta milhas do sítio em que agora a Ilha da Páscoa estende sua estreita faixa de solo estéril; cidade que uma série de erupções destruiu por completo. Os restos mais antigos das construções ciclópicas são obra das últimas sub-raças lemurianas" (IDEM).



AS SETE RAÇAS HUMANAS

A antropogênese teosófica, toda ela fundamentada em antigas escrituras hindus e tibetanas, postula que a espécie humana surgiu, na Terra, em simultâneo ao surgimento do próprio planeta. A espécie, humana, é essencialmente a mesma porém, as Raças, diferem entre si em sua constituição bioquímica sempre em correspondência com seu desenvolvimento espiritual.

As Raças são sete. A Raça atual é a Quinta Raça Humana. Os indivíduos da Primeira Raça, se ainda existissem, teriam a idade da Terra e tal como a Terra em seus primórdios, seus corpos seriam massas gasosa de forma circular oscilante. A Segunda Raça, um pouco mais densa, ainda assim seria etérea; são chamados de "Raça Hiperbórea" e habitaram a região polar norte.

A Terceira Raça, começou sua jornada ontológica também em corpos de matéria sutil; foram chamados de "os sem-ossos" e eram assexuados. A evolução da Terceira Raça produziu, já nas últimas gerações, seres dotados de esqueleto ósseo, dimensões agigantadas - em relação ao sapiens atual, e foram, inicialmente bissexuais passando a ser heterossexuais, divididos em machos e fêmeas, no fim do período. Esses foram os LEMURIANOS, que viveram nas cidades de lava, habitaram um continente vasto que ocupava o atual oceano Pacífico e também áreas do Atlântico. Esse continente submergiu com o fim da civilização da Lemúria, ocasionado por convulções geológicas como terremotos e erupções vulcânicas.

A Quarta Raça é a dos Atlantes, assim chamados em virtude da lenda que fala de uma brilhante civilização localizada onde, hoje, é o oceano Atlântico, ou seja, entre Europa/África e as Américas.

A Quinta Raça é a atual, cujo surgimento arqueologia e a antropologia datam em cerca de um milhão de anos. A Sexta e a Sétima Raças são seres humanos que ainda estão por vir e que tendem a ser mais evoluídos que seus predecessores em todos os aspectos da existência de um indivíduo realmente inteligente.


"Uma das lendas mais antigas da Índia, conservada nos templos por tradição oral e escrita reza que, há várias centenas de mil anos, havia no oceano Pacífico um imenso continente que foi destruído por convulsões geológicas e cujos fragmentos podem ver-se em Madagáscar, Ceilão, Sumatra, Java, Bornéu e ilhas principais da Polinésia. ...

Uma crença religiosa, comum à Malaca e à Polinésia, ou seja, dos dois pontos extremos do mundod a Oceania, afirma que todas essas ilhas formaram em outros tempos dois países [terras atlânticas e terras polinésias] imensos... o oceano... tragou os dois continentes... só os picos das montanhas e as mesetas mais elevadas escaparam da inundação...

No que respeita ao continente polinésio, que desapareceu na época dos grandes cataclismos geológicos, sua existência se funda em provas tais que, dentro da lógica, não podem ser postas em dúvida.

Os três pontos mas altos desse continente as Ilhas Sandwich, a Nova Zelândia e a Ilha da Páscoa estão separados entre si por uma distância de mil e quinhentas a mil e oitocentas léguas, e os grupos das ilhas intermediárias, Viti (Fidji), Samoa, Tonga, Fortuna, Ouvea, as Marquesas, Taiti, Pumuta, as ilhas Gambier, distam daqueles pontos extremos de setecentas ou oitocentas a mil léguas.

Todos os navegantes são unânimes em dizer que os grupos extremos e os grupos centrais não podiam comunicar-se entre si em virtude de sua posição geográfica e dos insuficientes meios de que dispunham. É fisicamente impossível transpor semelhantes distâncias numa piroga... sem uma bússola, e viajas durante meses sem provisões.

Por outra parte, os aborígenes das Ilhas Sandwich, de Viti, da Nova Zelândia, dos grupos centrais de Samoa, de Taiti etc., jamais haviam se conhecido e nunca tinham ouvido falar uns dos outros, antes de chegarem os europeus. No entanto, cada um desses povos afirmava que a sua ilha outrora fazia parte de uma imensa superfície de terras que se estendia para o ocidente em direção à Ásia. Confrontando indivíduos de todos esses povos, viu-se que falavam a mesma língua, tinham os mesmos usos e costumes e adotavam a mesma crença religiosa. E à pergunta: Onde está o berço da vossa raça? - limitavam-se, em resposta, a estender a mão na direção do sol poente".


L'Historie das Vierges: les Peuples et les Continents Disparus - de Louis Jacolliot CITADO por BLAVATSKY em Antropogênese - p 240/241.

FONTES
BLAVATSKY, H.P.. A Doutrina Secreta - vol. III Antropogênese. [Trad. Raymundo Mendes Sobral]. São Paulo: Pensamento, 2006. The Other Mystery of Easter Island - DAMS INTERISTING - publicado em 26/12/2006
WIKIPÉDIA. Ilha de Páscoa - acessado em 31/12/2006.
WIKIPÉDIA II - ENGLISH. Easter Island - acessado em 31/12/2006.



LINKS RELACIONADOS
LEMÚRIA: O CONTINENTE DA TERCEIRA RAÇA
ANTROPOGÊNESE: Fichamento comentado do livro de H.P. Blavatsky

tradução & pesquisa: Ligia Cabús (Mahajah!ck)

FONTE/SOURCE
http://sofadasala.vilabol.uol.com.br/noticia/29122006.htm

Os Gigantes da Ilha de Páscoa

Atualizada 01/07/2002

(Moais)

No ano de 1722, domingo de páscoa, às 18 horas. A bordo do navio de Afrikaanske Galei, os marinheiros trabalham normalmente. Há quatro meses e meio tinham levado ferros da Holanda em viagem de exploração e comércio e afora o rápido combate com um grande galeão espanhol, que tinha deixado para trás graças a sua superior velocidade, tudo havia corrido ao gosto do comandante comodoro Jacob Roggeveen. Súbito o vigia , anuncia " terra à vista" . Aproximan-se de uma ilha não assinalada no mapa. Com a pouca luz do entardecer chegam em tempo de avistar no litoral, sobre longas muralhas de pedra, enormes gigantes que parecem dispostos a evitar desembarque. Roggeveen manda ancorar longe da costa e decide esperar pelo amanhecer para tomar uma decisão Quando o dia clareia os europeus têm sua segunda surpresa. Os gigantes permaneciam parados e com óculos de alcance foi possível avistar gente de tamanho normal que se movia entre eles. Tinha-se assustado com estátuas. Resolvem então desembarcar, após batizar a ilha em honra a data de sua descoberta. ( Texto retirado do livro " Grandes Enigmas da Humanidade" Luís Carlos Lisboa e Roberto Pereira de Andrade )

Estátuas colossais, de mais ou menos 5 metros reinam em toda ilha do Pacifico desafiando a ciência. Como explicar o transporte das colossais estátuas, chamadas Moais, ninguém até hoje soube dizer. As estátuas olham para o norte e nordeste, sul, suldoeste e sudeste. A ilha toda tem 170 km2 de extenção, 3500 km da costa oeste da América do sul. Existem hieróglifos por toda parte da ilha e se fossem decifradas iriam revelar muito sobre a cultura daquela época. Fica a seguinte pergunta no ar: Quem e que ferramentas foram usadas na construção daquelas estátuas? Simplesmente esta pergunta está entre nós desde o descobrimento da Grande Pirâmide do Egito. Mas se pensármos bem o Mundo está repleto de enigmas do qual só temos uma resposta, ou fomos auxiliados por seres inteligentes de outras galáxias, ou tivemos uma grande catástrofe da qual esquecemos tudo e recomeçamos da estaca zero... A ilhota é de formação vulcânica, tendo um relevo moderado, superficie de 118 km quadrados, com altitudes que variam de 200 à 500m. Faz parte da província de Val Paraíso no Chile, e constitui a Oceania chilena. Sempre os mesmos traços de impossibilidade, nos canteiros do vulcão, sem terminar ficaram mais de 200 Moais, que não foram terminados nem distribuidos. Batizada como "Te pita, te henua" (umbigo do mundo ).

*Existem três tipos de estátuas gigantes:

-As primeiras estátuas estão situadas nas praias à borda do mar. Seu número é de mais ou menos 200 à 260 e algumas estão à uma distância de mais de 20 km do canteiro do vulcão onde foram modeladas. Estas estavam instalados em vários números, sobre monumentos funerários chamados "ahus"e davam as costas para o mar. Originariamente estiveram tocados por um tipo de chapéu cilíndrico chamado "Punkao", feito com uma rocha avermelhada, tirada do vulcão "Puna Pao".

-O segundo grupo é o das eregidas ao pé do "Rano Raraku". São estátuas terminadas, porém diferentes das outras, pois seus corpos estão cobertos por símbolos. As órbitas dos olhos não estão desenhadas e precisam de um chapéu ou "punkao". No entanto estas são mais enigmáticas que as anteriores.

-O terceiro grupo há anos a mais conhecida de todas elas "tukuturi", que possui a particularidade de ter pernas, foi comparada as estátuas da arte pré-incaica criando sérias dúvidas sobre a tese comum da origem dessas populações. A ilha porém foi abandonada por alguma razão... Os obreiros abandonaram suas ferramentas e oficinas. Como se suas causas desta paralização tivessem sido provocadas por uma catástrofe de carater natural, como maremoto, por alguma invasão ou epidemia.

Pára-Raios?

" São Luís - As estátuas monolíticas de até dez metros de altura da ilha de Páscoa, no Oceano Pacífico, foram construídas pelos antigos nativos para funcionar como pára-raios e, desse modo protegê-los das descargas elétricas freqüentes naquela região. Essa teoria, já comprovada científicamente através de pesquisas nos laboratórios da Universidade Federal do Maranhão, foi levantada pelo professor Francisco Soares, que passou seis meses na ilha estudando a função dos misteriosos Moai - nome dado às estátuas pelos nativos.

Soares, de 31 anos, que é engenheiro eletrônico especializado em computação, descobriu que os antigos habitantes da ilha de Páscoa já conheciam na prática a Lei de Gauss, que aplicavam empiricamente, através das gicantescas estátuas para proteger-se das descargas elétricas. A Lei de Gauss determina o comportamento da distribuição de cargas elétricas espaciais sobre uma superfície dielétrica. O chapéu na cabeça das estátuas, de material vulcânico poroso, absorvia os raios e impedia que elas fossem destruidas. Até então imaginava-se que os moai tinham apenas funções relifiosas ou estéticas.

Dedicando-se, desde 1979, à pesquisa sobre equipamentos primitivos de computação, como o ábaco, uma tábua de cálcuos criada pelos chineses, Francisco Soares chegou a civilização Inca, que possuia a mesma técnica com o quipu, feito de fios. E no rastro do quipu, Soares chegou a Rapa-nui, nome nativo da Ilha de Páscoa, descoberta em 1722, num domingo de páscoa, pelo holandês Jacob Roageveen. Ele conduziu suas pesquisas a partir de de quatro perguntas; Por que os moai foram construídos? Por que eram altos e tinham a forma alongada? Por que o chapéu? Por que só ocupavam a faixa costeira da ilha?

Até então as gigantescas estátuas haviam sido estudadas apenas por antropólogos e etnólogos, que viam nelas um sentido mistico; teriam poderes mágicos ( os nativos diziam que quem tocasse na sua cabeça morria ) e ao mesmo tempo, seriam uma homenagem aos seus ancestrais. Francisco Soares, no entanto concluiu que as estátuas, dispostas somente no redor da ilha, tinham a função de pára-raios, atraíndo as descargas elétricas. Ficava assim protegido o centro dessa ilha, de 179 quilometros quadrados e a cerca de quatro mil quilômetros da costa do Chile. Ali estavam as habitações e lavouras de subsistência.

....

Com o auxílo do professor Antônio Oliveira, mestre em física e matéria condensada do Departamento de Física da Universidade Federal do Maranhão, Soares recriou em laboratório as condições necessárias para a simulação de descargas elétricas. Usou uma fonte de alta tensão, uma câmpanula para fazer vácuo, e miniaturas das estátuas, confeccionadas com o mesmo material dos Moai, dispostas numa maquete da ilha. Comprovou-se, desse modo, que as estátuas com chapéu atraiam todas as descargas elétricas, que eram absorvidas e distribuidas pelo corpo, sem danificá-las. E mais: no escuro, os chápeus, carregados de energia, ficavam iluminados, o que, segundo ele, explica os poderes mágicos atribuídos aos moai.

Soares concluiu, diante disso, que os antigos nativos da ilha dominavam o conhecimento prático da Lei de Gauss, pois a função de pára-raios só se tornou possível por causa da forma dos chapéus das estátuas e do material vulcânico poroso com que foram confeccionadas, diferentes do material do corpo. Se fosse outro material utilizado, elas seriam destruídas pela primeira descarga elétrica. O jovem cientista maranhense, que deu ao seu trabalho o título de aplicação empírica da Lei de Gauss e difusão elétrica nos moai de Rapa-nui, volta a ilha em julho para novas pesquisas."

Maior estátua construída na ilha tem 10 metros e 90 toneladas. E ainda existe uma outra inacabada com 20 metros de altura.

...................

Tukuturi

Links em Inglês com fotografias

http://www.mysteriousplaces.com/Easter_Isld_Pge.html

http://www.3dphoto.net/stereo/world/latin_america/chile/easter/easter.html

FONTE/SOURCE - E mail: Mobilu@yahoo.com.br


=======CHILE=======

To facilitate the search of a destination, the Chile Maps were divided into 6 geographical zones : Big North, Small North, Center, South, Austral and Magallanes. The maps show the main roads, cities, and some detail of terrain and hydrography. CLICK on the zone to display the corresponding map and a brief description of the zone.


Big North
Contains the I and II political regions (Tarapacá and Antofagasta). This zone is mostly desert and highlands. The principal cities are Arica and Antofagasta. In this zone is located San Pedro de Atacama, El Tatío Geyser, Chiquicamata Copper Mine, saltpetreses and archaeological remains of Andean Cultures.

Small North
Embraces the regions of Atacama (III) y Coquimbo (IV). It is a zone of big contrasts between the desert and the fertile valleys. With a privileged climate, this area is great for astronomical observations and touristic activities: clear skies most of the year and warm beaches. We can find in this zone the astronomical observatories of La Silla, European Southern Observatory and El Tololo, the famous Elqui Valley and several beach resorts.

Center
Includes the Valparaíso, Libertador Gral. Bernardo O'Higgins, Maule, and Metropolitan regions (V, VI y VII, respectively). This zone concentrates the most of administrative, political and economic activity of the Country. With a mild climate, good for agriculture, this is the zone of the wine country and Chilean fruits. Here we also have the renowned Viña del Mar beach resort and the best ski centers of South America.

South
Contains the Bío-Bío (VIII), Araucanía (IX) and most of Los Lagos (X) regions. Landscape turns greener and climate, wet. Here we find the famous Lake District. Common attractions are : hot springs, lakes, ski, adventure and Eco tourism, and cultural expressions of the Mapuche culture.

North Patagonia
Embrace part of Los Lagos (X) and Aysén (XI) regions. In this zone Chile breaks into big and small islands, with the most visited : Chiloe, and many attractions as the Austral Road, Elizalde lake, the Futaleufu river and San Rafael Glacier.

South Patagonia
Includesthe XIIth Magallanes regions and the Chilean Antarctic Territory. With a climate less than charming, here we find unspoiled wilderness and solitude. Torres del Paine National Park, Tierra del Fuego, the Magallanes Strait, and Cape Horn, the southernmost tip of the World, and the pristine Antarctica.









fonte/ source: www.gochile.cl/Info/Map/Mapindex.asp


Maior estátua construída na ilha tem 10 metros e 90 toneladas. E ainda existe uma outra inacabada com 20 metros de altura.



=======================

No comments:

About Me

My Photo
Seeking God´s purpose to our life and helping all people around us to do the same in Jesus Name.